Notícias

Dia Mundial de Luta Contra o Câncer - 04/02/2021

Diagnóstico tardio e medo da pandemia diminuem chances de cura                   


Temendo a contaminação pela Covid-19, pessoas com câncer têm deixado de procurar atendimento e dificultado o diagnóstico precoce da doença. Esse é um dos principais alertas feitos pelos médicos neste Dia Mundial de Combate ao Câncer. A queda drástica nos procedimentos chega a 75%, como vem ocorrendo no Hospital Erasto Gaertner (HEG). O índice refere-se ao recuo no número de mamografias de rastreamento para detecção do câncer de mama entre os anos de 2019 e 2020. As consequências são a procura menor em fases iniciais e a demanda maior em estágios tardios do tumor, o que diminui as possibilidades de cura.

“Uma espera de quatro a seis meses não modifica o estágio do câncer inicial. Mais que isso, sim. No Erasto, estamos notando que a maioria das pacientes com câncer de mama tem chegado em fases avançadas ao consultório, justamente porque não temos computado atos de detecção precoce. Quando voltarmos a fazer exames em grandes volumes, devemos contabilizar um elevado número de diagnósticos. Amanhã (5) é Dia do Mastologista e Dia Nacional da Mamografia. Fica mais esse alerta neste mês cheio de datas tão voltadas à conscientização nessa área”, disse o chefe do Serviço de Ginecologia e Mama do HEG, o médico José Clemente Linhares.

Na instituição, em relação à quantidade de atendimentos englobando todos os tipos de câncer, houve diminuição de 20% nos procedimentos mensais gerados entre 2019 e 2020, que passaram de 176.035 para 141.168. A média mensal de casos novos é outro indicador que apresentou declínio no período: de 444 para 403, baixa de 9%. Isso apesar de o Erasto Gaertner continuar atendendo casos novos durante a pandemia, sem diminuição de vagas nem aumento de prazo para a primeira consulta.

Citando dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca), a cirurgiã oncológica Carla Simone da Silva, diretora técnica do Hospital Erasto Gaertner, informa que a estimativa é de registro de 621 mil novos casos da doença no país. “No ano passado, no hospital, foram 4.836 pacientes, quantidade que ainda deve ser subnotificada por conta da pandemia.” Ela aproveitou para fornecer orientações de prevenção para alguns dos casos mais frequentes. “O câncer de pele não melanoma é o mais comum no Brasil. A exposição solar e os fatores genéticos são a principal causa. Por isso, é importante usar filtro solar e evitar exposições ao sol em horários de grande incidência dos raios.”

Para o câncer de mama, o autoexame é de fundamental relevância. Deve-se ter atenção a nódulos, manchas avermelhadas, abaulamentos e outras mudanças na região. “Nesses casos, é preciso procurar ajuda médica imediata. Serviços de ultrassom e mamografia são oferecidos pelo SUS”, destaca. Já para o homem, o câncer de próstata é prevenido com consultas e exames periódicos para avaliar a dosagem de PSA. “Um simples teste de sangue é capaz de identificar a doença, também pelo SUS.” Sobre o câncer do intestino, ela reforça que a cura também está associada a um diagnóstico precoce. “É bom ficar atento a alguns sinais, como dificuldade em evacuar, diarreia, sangue nas fezes. Tudo isso pode ser sinal. A colonoscopia é o procedimento que aponta o diagnóstico”, finaliza.

 

Diário Indústria e Comércio – Viva +

Com Assessoria


FALE CONOSCO, CHAT ONLINE!